Sistema de freios: como fazer um diagnóstico rápido e preciso na oficina

sistema de freio
7 minutos para ler

O dia a dia nas oficinas é sempre desafiador. A cada instante, chegam carros com os mais variados problemas. O dono, por sua vez, olha para o mecânico como um herói, aquele que detém a solução para todos os problemas. Também espera que o conserto seja feito no menor tempo possível.

Para sustentar essa reputação, o profissional precisa, em primeiro lugar, realizar um diagnóstico rápido e preciso. É por isso que preparamos este artigo, reunindo os principais cuidados que devem ser tomados na inspeção do sistema de freios, para que você aprimore suas habilidades. Acompanhe!

Veja também:

Interpretação de diagramas elétricos: descubra agora como fazer!

Diagnóstico do sistema de suspensão: passo a passo para uma avaliação completa

O que é o Controle Eletrônico de Estabilidade e como funciona na prática?

O início do diagnóstico

Em qualquer conserto, a perfeita comunicação entre o proprietário do veículo e o mecânico é fundamental. Mas também é preciso estar sempre atento para filtrar as informações erradas. Para ajudar nesse trabalho, é importante fazer algumas perguntas pontuais ao cliente:

  • Quando começou o problema?
  • Em que condição ele aparece?
  • Caso seja ruído, é uma batida, um chiado ou outro barulho?
  • Em qual lado do veículo ocorre?

Após essa pequena “entrevista”, o ideal é que o mecânico faça um teste de rodagem na companhia do dono, até conseguir reproduzir o defeito reclamado. Também é muito importante ficar atento e anotar todos os outros problemas que o carro apresente.

Para facilitar esse trabalho inicial, sempre recomendamos aos mecânicos que incentivem seus clientes a conferir o nosso portal, em que existe uma categoria destinada aos proprietários. Os artigos dessa seção contêm uma linguagem bem acessível para o aprendizado desse público. Ele pode encontrar também diversas dicas e boas práticas para lidar com o veículo da melhor forma.

Como exemplo, podemos utilizar o conteúdo especial sobre o sistema de freios. O cliente que realiza essa leitura saberá expressar sua reclamação com muita facilidade. Muitas vezes, essa maior interação aumenta a eficiência do diagnóstico e até a rapidez do conserto. Ele ainda vai ficar bastante grato com essa demonstração de cuidado da sua parte.

Os principais problemas

Depois que voltar do teste de rodagem, o ideal é o mecânico fazer uma verificação completa no sistema de freios, conferindo o acionamento do pedal, os componentes da parte dianteira, o estado do fluido e depois percorrendo todo o circuito até chegar a cada uma das rodas.

A seguir, reunimos alguns dos principais problemas que costumam aparecer no sistema. Com essas informações em mente, você poderá aprimorar as suas competências durante os diagnósticos, tornando o seu trabalho mais rápido e certeiro. Confira!

Pedal duro

Essa é uma reclamação relativamente fácil de ser diagnosticada. Na maioria dos casos, o problema é causado por alguma falha no principal multiplicador de forças do sistema: o servofreio. Entre as principais situações, podemos destacar:

  • válvula unidirecional obstruída;
  • vazamentos na mangueira que conecta o componente ao motor;
  • diafragma danificado;
  • entupimento no filtro de ar da peça.

Pedal com curso longo

Aqui, você escutará a seguinte reclamação do proprietário: preciso pressionar o pedal quase ou até o fim para conseguir frear o veículo, o que pode estar acontecendo? Essas falhas costumam ser causadas principalmente pelo sistema hidráulico. Vamos relembrar as principais:

  • vazamentos internos no cilindro mestre;
  • problemas nas pinças de freio ou nos cilindros de roda;
  • danos nas tubulações rígidas ou nos flexíveis;
  • presença de ar no sistema hidráulico;
  • folga incorreta entre os tambores e as lonas.

Pedal esponjoso

Sempre que é pressionado, o pedal apresenta um comportamento “esponjoso”, passando uma sensação de insegurança ao dono do carro. Também recua à posição original com lentidão. Na maioria dos casos, essa falha é provocada pela presença de ar dentro do sistema hidráulico.

Além disso, vale examinar o estado do fluido de freio. Com o passar do tempo, esse líquido tende a acumular água. Para fazer um trabalho de qualidade (que, sabemos, é a sua especialidade), o ideal é trocar todo o fluido de acordo com a classificação indicada no manual do veículo e realizar a sangria do sistema.

Vibrações

Esse sintoma é caracterizado pela trepidação do pedal durante as frenagens. Porém, é preciso tomar bastante cuidado ao examinar esse sintoma. Muitas vezes, é apenas um desconhecimento do dono do veículo em relação ao funcionamento dos freios ABS, que passaram a ser obrigatórios no Brasil desde 2014.

Quando esse sistema eletrônico está atuando, o motorista tende a sentir uma vibração no pedal — e isso não é uma falha técnica. Mas existem outros tipos de vibrações no sistema de freios que não tem nada a ver com o ABS e precisam ser checados com atenção redobrada:

  • discos de freios empenados;
  • cubos de rodas empenados;
  • ovalizações nos tambores.

Desvios ao frear

Como acabam interferindo na direção, os desvios de trajetória durante as frenagens costumam confundir os proprietários dos veículos. Uma causa bastante comum desse problema são as manutenções feitas “pela metade”, como a troca de componentes dos freios apenas de um lado do carro.

Pinça de freio com êmbolo travado ou vazamento de fluido nos cilindro de roda também são elementos que contribuem para o desvio de trajetória em freadas de pânico.

Mas também podem indicar problemas muito mais sérios, como serviços no chassi que deram errado ou carros recuperados de acidentes graves. O ideal é fazer uma análise cuidadosa na oficina e, se ficar na dúvida, recorrer à ajuda de um especialista estrutural, levando o veículo até ele.

Ruídos

Atualmente, essa é uma das maiores reclamações dos clientes. Mas o mecânico deve ter muito cuidado no diagnóstico, porque o ruído pode estar sendo causado por outros componentes. Quando o problema está realmente nos freios, as causas principais são as seguintes:

  • discos de freio com superfícies irregulares;
  • contato irregular das pastilhas com os discos;
  • pastilhas flutuando nas pinças;
  • pastilhas erradas para o veículo;
  • pastilhas mal assentadas;
  • pastilhas de baixa qualidade.

Problemas eletrônicos

Conforme destacamos, os freios ABS deixaram de ser um acessório de luxo e se tornaram um equipamento obrigatório na frota nacional. Por isso, o mecânico precisa estar sempre atento durante o diagnóstico e, principalmente, conhecer bem o sistema. Se tiver um scanner adequado para fazer a checagem então, melhor ainda!

Combinando essas pequenas dicas com toda a sua experiência, você fará um diagnóstico do sistema de freios muito mais rápido e preciso. Os clientes ficarão impressionados com o seu profissionalismo e a qualidade do atendimento, tornando as chances deles voltarem e indicarem seus serviços ainda maiores.

Gostou deste post, mas ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco agora mesmo. Aproveite também para visitar o site da Nakata e conhecer todas as nossas linhas de produtos, consultar os catálogos, participar das campanhas, ver dezenas de vídeos no YouTube e conversar com a nossa equipe técnica.

Você também pode gostar

18 thoughts on “Sistema de freios: como fazer um diagnóstico rápido e preciso na oficina

  1. Olá vou até compartilhar e marcar alguns mecânicos…kkkk tô cansado de levar o carro na loja e o cara nem olhar e já condenar todo o sistema! Gostei do texto valeu a pena #Cafe Brasil

    1. Olá, Hebert!
      Então fica ligado aqui no blog da Nakata e não passe mais aperto com a manutenção do seu carro, temos dicas para donos de carro também. depois dá uma navegada no menu “para o dono do carro”, e qualquer dúvida só deixar seu comentário pra gente!
      Boa semana!!!

  2. Olá, muito bons os textos. Já usei as informações que obtive aqui! Muito obrigado! E obrigado também por patrocinar o Café Brasil! Vocês fazem ainda mais diferença com iniciativas como esta!

    1. Olá, Hemanuela! Que legal! Você viu que tem botão logo abaixo do título do post para enviar a matéria pelo Whatsapp, encaminha pra ele e pede pra ele comentar se gostou!
      Qualquer dúvida que vocês estiverem deixem nos comentários, a gente adora interagir com vocês!!!

  3. Bom dia galera , tenho um gol geração 6 ‘2014 e notei que quando eu preciso acionar o freio ater chegar o ponto do abs funciona ‘notei que tá com um barulho como se uma pessoa tivesse raspando a garganta kk já troquei as partilhas e discos já limpei os sensores e nada mudam haa e meu pedal ele não trepida quando freio porém as rodas não travam menos mal se alguém poder mim ajudar mau celular 31997101050 zap obrigado

    1. Edilson, boa tarde!
      Esse problema pode estar no sistema de freio traseiro, sapata e tambores podem estar com desgaste irregular.
      Procure um mecânico de sua confiança para fazer uma avaliação mais precisa.

  4. Boa noite parceiro,eu tenho um dodge dakota 2002 com problema de freio dianteiro lado esquerdo somente nas freadas brusca, ?trab realizados mais não resolveu,material estava com desgastes buchas da suspensão, past de freio sangria, cilindro mestre, central abs mais não codifiquei, regulei lonas magote da pinça de freio ,uma pergunta pinça de freio causa este problemas de travar e soltar no momento de freadas brusca?

    1. Olá Washington!
      O problema pode estar na unidade moduladora, no módulo de controle que necessita de alguma atualização ou até mesmo no sensor da roda que poderá estar danificado ou obstruído, comprometendo seu funcionamento correto. Sugerimos que procure por alguma oficina de sua confiança para realizarem um diagnóstico diretamente no veículo.

Deixe um comentário