Listamos 6 dicas práticas para aumentar a vida útil da embreagem

aumentar a vida útil da embreageem
6 minutos para ler

Existem diversos sistemas mecânicos que trabalham simultaneamente em um veículo e que são responsáveis pelo seu bom funcionamento. O conjunto da embreagem, usado para controlar a conexão entre o motor e o câmbio, é um exemplo.

Seja pelas práticas consideradas como “vícios de direção” ou apenas por falta de informações corretas, há certos comportamentos dos motoristas que desgastam prematuramente esses componentes e acabam causando um grande prejuízo.

Quer saber quais são eles? Então este post é para você! Para ajudar na conservação de seu carro e evitar quebras inesperadas, listamos 6 dicas práticas para aumentar a vida útil desse sistema. Acompanhe!

Veja também:

> Qual é a hora certa de trocar o amortecedor? Descubra neste post!

> Bieleta: tudo que você precisa saber sobre a peça!

> Por que começar a fazer manutenção preventiva do seu carro?

 

Qual a função da embreagem?

Três peças principais formam o chamado “kit de embreagem”: platô, disco e rolamento. São responsáveis por colocar o veículo em movimento de uma forma suave e controlada, além de facilitar o engate das marchas sem danificar a transmissão.

O platô fica parafusado no volante do motor, o disco é conectado ao eixo principal do câmbio e o rolamento tem a função de acionar o sistema. Trabalhando em conjunto, esse trio coordena a transferência do movimento que acaba chegando às rodas, além de realizar outras funções:

  • interrompe essa ligação quando é necessário, como nas paradas e trocas de marchas;
  • protege o sistema contra sobrecargas, reduzindo os desgastes e quebras das peças;
  • amortece a maioria das vibrações mecânicas que existem nesse tipo de acoplamento.

Como aumentar a durabilidade da embreagem?

Agora que você já sabe, de uma maneira básica, como funciona o conjunto da embreagem, vamos dar algumas dicas para conservá-la melhor no dia a dia!

1. Não fique com o pé apoiado no pedal

Muito comum entre os motoristas, essa prática é uma das maiores causas de danos prematuros no sistema. O certo é acionar a embreagem apenas nas trocas de marchas. Usar o pedal como “descanso para o pé” aumenta o atrito entre o platô, o disco e o volante do motor de uma forma desnecessária, elevando a temperatura e reduzindo a durabilidade desses componentes.

2. Evite trocas ríspidas de marcha

Trocar as marchas em um curtíssimo espaço de tempo é outro vício bastante prejudicial para o conjunto. Se você quer preservar seu carro e economizar na oficina, esqueça aquele estilo de pilotagem das corridas e filmes de ação. Mantenha a rotação do motor numa faixa moderada, troque as marchas com calma e, sempre que necessário, desengate e use os freios.

3. Use o freio de mão corretamente

Muitas pessoas preferem utilizar a embreagem e o acelerador para evitar que o carro volte de ré em uma rua com inclinação mais acentuada. Pensam que acionar o freio de mão numa situação assim é um sinal de imperícia, de quem ainda é novato ao volante. Mas acabam causando um grande desgaste no disco. Às vezes, o cheiro de queimado chega a invadir a cabine.

4. Sincronize o acelerador e a embreagem

Acelerar mais do que o necessário é outra prática muito prejudicial. Além de aumentar o consumo de combustível, superaquece a embreagem e desgasta outras peças do sistema de transmissão, como as juntas homocinéticas.

Principalmente nas saídas, evite elevar a rotação e arrancar como se estivesse participando de um “racha”. Dirija de uma forma sincronizada e suave.

5. Siga as informações do manual

Todo veículo tem um plano específico de manutenção, contendo informações relevantes sobre as trocas e ajustes que são necessários para cada quilometragem. Sendo assim, respeitar esse roteiro é fundamental para quem não gosta de ser surpreendido por uma quebra e deseja uma vida longa para a embreagem e todos os outros sistemas presentes no carro.

6. Cuidado com os automatizados

Os donos desses modelos devem lembrar que o sistema usa praticamente todas as peças do câmbio mecânico. A diferença é o gasto na oficina. Um kit de embreagem, por exemplo, chega a custar mais do que o dobro na versão com trocas automáticas. Então, é muito importante seguir todas as dicas que acabamos de passar, ou o prejuízo será bem grande.

Manutenção preventiva

manutenção preventiva, como o próprio nome sugere, é um conjunto de medidas para garantir que o veículo sempre esteja em perfeitas condições de funcionamento. Nesse caso, o dono não espera que apareça uma falha ou quebra inesperada para procurar assistência.

Os intervalos das revisões, ajustes e trocas de peças são indicados pelo fabricante e costumam estar bem detalhados no manual do carro. Mas é interessante também pedir conselhos ao seu mecânico de confiança, que poderá criar uma programação personalizada para você.

Durante essas checagens, são verificados os principais sistemas e substituídos os componentes que estão começando a apresentar problemas ou cumpriram sua vida útil. Vale lembrar que, além de garantir uma maior segurança, essa manutenção é bem mais barata do que a corretiva.

Manutenção corretiva

Esse tipo de conserto é realizado após o mau funcionamento ou quebra de uma peça. Muitas vezes, o prejuízo fica grande, porque é preciso chamar um guincho ou uma única falha danificou vários componentes. O rompimento da correia dentada é um exemplo bastante comum.

De um modo geral, é preferível que o seu carro nunca chegue a esse ponto de precisar de uma manutenção corretiva, não é mesmo? É sempre melhor prevenir do que remediar.

Manutenção na embreagem

Todo motorista deve ficar atento ao aparecimento de alguns sinais bem claros que indicam o início de problemas com o kit de embreagem. Alguns deles são:

  • falta de potência no carro, que não consegue atingir o desempenho de antes e passa a consumir muito combustível, principalmente quando está carregado;
  • pedal da embreagem mais duro do que o normal, indicando que as molas do platô podem estar com problemas e o conjunto precisará ser trocado;
  • trepidação ou patinação nas saídas, quase sempre causadas pelo desgaste excessivo ou contaminação por óleo do material de atrito do disco;
  • dificuldade em engatar as marchas, sinalizando possivelmente que a embreagem não consegue mais desacoplar o motor do câmbio com eficiência.

Ao notar alguma dessas situações, procure uma oficina antes que o conjunto quebre e você fique pelo caminho. Na hora da troca, como a mão de obra costuma ser a maior despesa, substitua o kit completo: platô, disco e rolamento. Também é muito importante verificar o acionamento.

Achou interessante o conteúdo? Então, compartilhe-o em suas redes sociais e faça com que mais pessoas aprendam a cuidar bem da embreagem!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-