Cruzetas: veja como fazer sua manutenção de forma correta

Cruzetas: veja como fazer sua manutenção de forma correta
5 minutos para ler

As cruzetas são peças relativamente pequenas, mas que têm um papel fundamental quando se trata de colocar em movimento alguns dos mais notáveis gigantes motorizados, como caminhões, ônibus, utilitários e veículos com tração traseira.

Tamanha responsabilidade requer muita atenção e alguns cuidados básicos. Quer conhecer um pouco mais sobre as funções dessa peça tão peculiar e como fazer a manutenção correta? Então, siga com a leitura!

O que são as cruzetas?

As cruzetas são peças que compõem as juntas universais, localizadas nas extremidades do eixo cardan. Elas variam bastante de tamanho, podem ser muito pequenas ─ como as usadas na coluna de direção ─ ou enormes, utilizadas em veículos grandes.

Seu corpo é composto por dois eixos que se cruzam a 90°, criando um formato em cruz, de onde deriva o seu nome. Vamos falar das cruzetas mais comuns, que são as responsáveis pela transmissão da força do motor para o diferencial, em ângulos variados. Sem elas o diferencial não conseguiria se movimentar.

Como elas funcionam?

Nas extremidades das cruzetas estão as espigas (ou munhões) e em volta estão os roletes, que são mantidos dentro de uma capa protetora, que é chamada de castanha. Por meio de garfos e flanges, as cruzetas se unem ao eixo cardan, permitindo o movimento da junta universal em todos os sentidos. Esse complexo mecanismo recebe o nome de árvore de transmissão.

O sistema garante uma distribuição correta e uniforme da força gerada pelo conjunto motor/câmbio ao diferencial. O que imprime potência e estabilidade, mesmo em terrenos e condições mais extremas.

Quais os principais problemas relacionados às cruzetas?

Quando as cruzetas estão trabalhando em ângulos muito acentuados ou há torque em excesso aplicado ao cardan, pode ocorrer a torção, o que vai resultar em barulho e vibração.

Se os roletes estiverem operando sob condições inadequadas, podem danificar os munhões das cruzetas, que apresentarão marcas. Isso pode ser sinal de que a ponteira deslizante está travada ou o sistema está sofrendo um torque excessivo.

A falta de lubrificação e também o uso de um produto engraxante incorreto, pode superaquecer a cruzeta e derretê-la, bem como seus componentes. Não precisa nem dizer a dor de cabeça que isso vai dar!

No momento da manutenção deve-se evitar produtos cuja base seja de silicone ─ como as graxas grafitadas e as que são desenvolvidas para uso nos chassis ─ elas promovem apenas proteção superficial, deixando a cruzeta sem lubrificação interna.

Utilizar outras graxas que não são apropriadas para este tipo de manutenção terá um grande impacto na vida útil do eixo cardan e seus componentes. Nada de tentar economizar nessa hora, pois, no longo prazo, os possíveis danos se tornam muito mais caros.

Qualquer tipo de tranco ou esforço excessivo frequente, pode quebrar as cruzetas, bem como as flanges, terminais e ponteiras deslizantes. É comum encontrar ponteiras com os entalhados retorcidos ou quebrados ─ um verdadeiro cenário de guerra!

Como deve ser feita a manutenção?

A manutenção das cruzetas está diretamente relacionada à sua correta lubrificação. A graxa adequada deve ser à base de sabão de lítio tipo EP 2 ─ essa classificação significa que ela resiste a uma pressão extrema e tem um grau de consistência nº2 ─ apropriada para uso em altas temperaturas e resistente à água.

O lubrificante novo precisa ser bombeado até que saia pelas borrachas de vedação da cruzeta, a fim de expulsar qualquer resíduo de graxa antiga. Caso você tenha tentado, mas alguma capa não demonstrou estar completa, experimente desapertar o sistema de fixação e tente novamente.

Para saber quando engraxar o sistema, é preciso respeitar os intervalos que são recomendados pelo fabricante do veículo, levando-se em conta a maneira como ele é utilizado. Em condições de rodagem severas, como em estradas de terra ou que exigem muito do eixo, por exemplo, é preciso diminuir o tempo entre as manutenções.

Como fazer o diagnóstico correto para troca de cruzetas?

Entre os sinais mais comuns de que elas precisam ser trocadas, estão os estalos em arrancadas e no momento de trocar as marchas. Sinais de vibração na transmissão ─ quando o veículo atinge velocidades mais altas o cardan começa a vibrar ─ também são um alerta de que pode haver algo errado.

Nessas condições, o melhor é levá-lo à oficina o mais rápido possível. A quebra da cruzeta pode provocar a parada total do veículo, e ainda causar danos em outros componentes da transmissão, como o garfo e o terminal do cardan.

Já deu para perceber que a maioria dos problemas listados aqui, acontecem por causa da falta de manutenção. A lubrificação automotiva é importante para o bom funcionamento de várias partes do veículo e, no caso das cruzetas, ela é essencial. Um trabalho rápido e de baixo custo, que evitará problemas maiores e mais dispendiosos.

Sabemos que você já é um expert na sua área, mas para mantê-lo atualizado, estamos sempre disponibilizando informação de qualidade. Por isso convidamos você a conhecer o nosso novo canal de capacitação: o Videoaulas Nakata.

Você também pode gostar

Deixe um comentário