Veículos híbridos e elétricos: sua oficina está preparada para o futuro?

Veículos híbridos e elétricos: sua oficina está preparada para o futuro?
11 minutos para ler

Quando a injeção eletrônica chegou aos veículos nacionais, as  oficinas e os mecânicos precisaram se reinventar. No início, a tecnologia parecia algo muito distante. Era usada apenas em carros esportivos e luxuosos. Mas, quem apostou no passado, perdeu feio! Em poucos anos, o sistema dominou a frota e revolucionou a manutenção.

Agora, 30 anos depois, você notou que uma mudança parecida está acontecendo? Aos poucos, os híbridos e elétricos estão conquistando cada vez mais clientes. Hoje, ainda são poucos e caros, como os primeiros “injetados”. Mas já existem mais de 50 modelos à venda e cerca de 1.000 unidades novas são emplacadas todos os meses.

A exemplo da eletrônica, é muito importante para sua carreira começar a entender as diferenças da frota eletrificada e se preparar para essa novidade. Neste texto vamos falar de tudo um pouco: vantagens, mercado, opções, tecnologia, capacitação, perigos, entre outros assuntos. Siga com a gente e descubra como será o futuro!

Por que os eletrificados são melhores?

Para começar essa história, é interessante lembrar que quando os carros começaram a conquistar o mundo, por volta de 1900, existiam três grandes tecnologias: o motor a gasolina, as máquinas a vapor e os elétricos a bateria. Com o tempo, apesar de não serem perfeitos, os modelos a combustão se mostraram mais práticos.

Mas esse domínio foi abalado nas últimas décadas. Passamos a sentir os efeitos do aquecimento global, o trânsito ficou insuportável, foi preciso criar leis severas para controlar a poluição e o barulho também se tornou um problema nas grandes cidades. Por outro lado, as baterias de lítio revolucionaram a eletroeletrônica.

Hoje, para quem busca apenas um meio de transporte, os eletrificados são imbatíveis. São veículos ecológicos, potentes, silenciosos, fáceis de dirigir, econômicos, rodam sem restrições, pagam menos impostos e dão pouca manutenção. Por enquanto, estão limitados apenas pelo preço e, em alguns casos, pela autonomia.

Uma frota que cresce a cada dia

Mesmo custando acima de R$ 100 mil, os híbridos e elétricos estão vendendo cada vez mais. De janeiro a junho, apesar da pandemia, foram emplacadas 7.568 unidades e a frota nacional atingiu os 30.092 veículos. Quando os primeiros modelos foram lançados aqui, em 2010, as vendas não chegavam a mil por ano.

As locadoras, taxistas, motoristas de aplicativos e grandes frotistas também estão de olho na tecnologia. Em muitos casos, é mais barato investir na eletrificação. Por aqui, um grande exemplo é a Ambev. A fabricante de bebidas fechou uma parceria com a Volkswagen para comprar 1.600 caminhões elétricos nos próximos anos.

As previsões indicam que as montadoras estarão vendendo cerca de 200 mil veículos híbridos e elétricos por ano no Brasil em 2030. Além de manter essa frota rodando, os mecânicos e eletricistas também poderão se dedicar às conversões, principalmente de carros antigos. Os kits nacionais deverão chegar até o final do ano.

Elétricos no Brasil: de volta para o futuro

Uma curiosidade sobre a presença dos veículos elétricos no Brasil é que o nosso país estava na dianteira da tecnologia na década de 1970, mas acabou “perdendo o bonde da história”. Nosso primeiro modelo eletrificado, o rebocador industrial Kadyketo, foi lançado em 1969 pela Icovel, na cidade de São Paulo.

Em 1974, João Gurgel antecipou o futuro em Rio Claro, no interior paulista. Criou um pequeno carro a bateria (o Itaipu), planejou toda a rede de recarga, as vagas especiais para estacionamento e até um sistema de uso compartilhado. Aqui não deu certo, mas essas ideias foram adotadas mundo afora décadas depois.

Modelos para todas as necessidades 

Hoje, você sabia que é possível comprar mais de 50 modelos de veículos eletrificados no Brasil, entre novos e seminovos? Alguns fabricantes, como a BYD, Eletra, Randon, Toyota e Volkswagen já estão produzindo aqui. Muitos desses carros, caminhões, ônibus e carretas vão chegar um dia na sua oficina. Prepare-se!

Audi

A6: híbrido

A7: híbrido

A8: híbrido

Q7: híbrido

Q8: híbrido

e-tron: elétrico

BMW

i3: elétrico

i8: elétrico

330: híbrido plug-in

530: híbrido plug-in

745: híbrido plug-in

X5: híbrido plug-in

BYD

e5: elétrico

eT3: elétrico

Caminhão eT7: elétrico

Caminhão eT8: elétrico

Ônibus D7: elétrico

Ônibus D9: elétrico

Chevrolet

Bolt: elétrico

Eletra

Ônibus: elétricos e híbridos

Ferrari

SF90: híbrido

Ford

Fusion (2010 a 2019): híbrido

JAC

iEV20: elétrico

iEV40: elétrico

iEV60: elétrico

iEV330P: elétrico

Caminhão iEV1200T: elétrico

Jaguar

I-PACE: elétrico

Land Rover

Range Rover: híbrido plug-in

Lexus

CT 200h: híbrido

ES 300h: híbrido

LS 500h: híbrido

NX 300h: híbrido

RX 450h: híbrido

UX 250h: híbrido

Mercedes-Benz

C 200 EQ: híbrido

EQC 400: elétrico

Mini

Cooper SE Countryman: híbrido plug-in

Nissan

Leaf: elétrico

Porsche

Cayenne: híbrido

Panamera: híbrido

Taycan: elétrico

Randon

Semirreboque: híbrido

Renault

Zoe: elétrico

Toyota

Corolla: híbrido

Prius: híbrido

RAV4: híbrido

Volkswagen

Golf GTE: híbrido plug-in

Caminhão Delivery: elétrico

Ônibus: híbrido

Volvo

S60: híbrido plug-in

S90: híbrido plug-in

XC40: elétrico

XC40: híbrido plug-in

XC60: híbrido plug-in

XC90: híbrido plug-in

Diferenças entre os elétricos, híbridos e plug-in

Reparou como existem vários tipos de veículos eletrificados? Os híbridos podem ser modelos “em paralelo” ou “em série”. Na configuração “paralela”, muito usada nos carros, o motor a combustão trabalha em dupla com o elétrico. No sistema “em série”, mais comum nos pesados, o motor tradicional é usado como um gerador.

Os “híbridos plug-in” podem usar qualquer uma dessas tecnologias. A maior diferença é que contam com tomadas para a recarga (como nos modelos puramente elétricos) e, quase sempre, usam baterias maiores. Também costumam ser equipados com motores mais potentes, para rodarem apenas com eletricidade no uso urbano.

Conhecendo os componentes do sistema

Agora vamos apresentar um pouco da tecnologia embarcada nos veículos híbridos e elétricos atuais. De uma forma geral, a grande vantagem é que os componentes são simples e os consertos são bem mais limpos. Mas a eletrônica de controle é complexa e o preço das peças é muito alto. Conheça o papel de cada elemento:

Baterias: os veículos elétricos costumam usar dezenas (ou até centenas) de células, ligadas em série e paralelo. Em alguns modelos, a tensão pode ultrapassar os 600 volts. Esse conjunto e a rede de cabos de alta tensão (identificados pela cor laranja) são os pontos de maior perigo e cuidado na hora da manutenção.

Atualmente, as células de lítio são as mais usadas. Mas é possível encontrar veículos mais antigos com baterias de níquel hidreto metálico ou tracionárias de chumbo. Para garantir a durabilidade e segurança, os conjuntos costumam ter um módulo eletrônico (o “Battery Management System”) e um sistema de arrefecimento.

– Carregador e conversor: ao contrário do que muitos imaginam, os elétricos também usam um carregador interno, para garantir a precisão e segurança durante a recarga. O sistema ainda conta com um conversor que rebaixa a tensão das baterias para 14 volts, de forma a suprir o sistema elétrico “comum” do veículo.

– Motor elétrico: os veículos mais simples têm apenas uma unidade. Nos esportivos ou luxuosos encontramos mais. São alimentados por corrente alternada ou contínua. Sua refrigeração é feita por ventoinha, água ou óleo. Nos híbridos, são montados entre o motor a combustão e o câmbio, dentro da transmissão ou no diferencial.

– Controlador: tem a mesma função do módulo eletrônico dos motores tradicionais. Gerencia a aceleração, o desempenho e a durabilidade do motor elétrico; converte a corrente contínua das baterias em corrente alternada, nos sistemas que necessitam dessa mudança; e transforma o motor em gerador nas desacelerações.

– Acelerador eletrônico: é outro componente muito parecido com o usado nos carros atuais. De um modo geral, é composto por um resistor variável (na faixa de 0-5k ohms) e um interruptor que inibe o acionamento do motor elétrico quando o motorista não está acelerando, além de informar o controlador para ativar o “modo gerador”.

– Componentes de segurança: são utilizados com o objetivo de proteger todo o sistema elétrico (e também os ocupantes do veículo) contra curtos-circuitos, superaquecimentos, acidentes ou outros problemas. Geralmente encontramos fusíveis (convencionais ou térmicos), contatores, relês especiais e interruptores inerciais.

A manutenção dos híbridos e elétricos

Como você notou até agora, os veículos híbridos e elétricos são bem mais caros e complicados do que os normais. Então, quando algum aparecer na sua oficina, nossa primeira dica é você aceitar o trabalho apenas se tiver feito um curso de capacitação, ter o manual de serviço do modelo e as ferramentas certas.

Em muitos carros, até manutenções banais, como trocar a bateria de 12 volts ou uma correia, podem dar muita “dor de cabeça”, causar grandes prejuízos (com a queima de outras peças do sistema) ou até colocar a sua vida em risco. Outro problema é que muitos veículos precisam de equipamentos especiais para os reparos.

No momento atual, como grande parte da frota eletrificada brasileira ainda está na garantia, o melhor que você pode fazer é procurar um bom curso sobre a tecnologia. Algumas escolas tradicionais, como o Senai, já estão oferecendo essas formações. Quem se capacitar agora, estará pronto para o desafio e sairá na frente!

Além do estudo e do acesso aos manuais técnicos, outro ponto fundamental será contar com todos os equipamentos necessários para o trabalho com alta tensão. É preciso usar óculos de segurança, luvas emborrachadas com isolamento superior a 1.000 volts e até alicates e chaves específicas para essas tarefas.

A oficina também deve contar com os extintores e dispositivos adequados para apagar incêndios em equipamentos elétricos. Toda a equipe precisará estar treinada para agir nessas situações. Pelo mundo, são comuns esses acidentes, principalmente quando deixam os veículos recarregando durante a noite.

A manutenção de um modelo híbrido ou elétrico também exige muita organização, concentração e pesquisa. O ideal é trabalhar num box dedicado e manter as peças mais perigosas, como as baterias, longe dos “curiosos”. Como os componentes são caros e difíceis de achar, o diagnóstico deve ser muito preciso.

Nesse ponto, um cuidado fundamental é investigar a fundo o que provocou o defeito. Quando é um desgaste normal, basta trocar a peça. Mas já pensou se houver outro item gerando a falha? E se for apenas um terminal oxidado? Ou um erro no software?

Imagine o tamanho do prejuízo e a insatisfação do cliente!

Depois de conhecer esses detalhes, o que você achou dos híbridos e elétricos? São muito complicados e perigosos? Ou ficou animado com o desafio? No fundo, é apenas um passo adiante, como foi a chegada da eletrônica. Quem encarar, vai sair na frente e ganhar muitos clientes, seja em manutenções ou conversões.

Se você gostou deste post, compartilhe nas redes sociais e ajude os seus amigos a descobrirem esse “novo mundo” dos veículos eletrificados. Também preencha o nosso cadastro e fique por dentro de todas as notícias e novidades da Nakata. Além do blog, estamos no Facebook, YouTube, Twitter e Instagram!

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário