Dica de especialista: conheça os premiados na promoção Feras da Oficina

Dica de especialista: conheça os premiados na promoção Feras da Oficina
7 minutos para ler

O trabalho mecânico exige prática e dedicação. Não há como escapar: nesse setor é a experiência que fala mais alto. O que os proprietários de veículos mais precisam, são de mecânicos confiáveis e capazes de fornecer um diagnóstico honesto e um trabalho profissional, na manutenção do carro. A experiência adquirida também é a premiação que o mecânico recebe depois de aprender com seus erros. É o que ensina esse profissional a acertar no diagnóstico da manutenção, manusear ferramentas, peças e realizar toda as etapas com atenção e agilidade.

No fim das contas, a experiência é o que faz o mecânico ser uma Fera da Oficina! Já conhece essa promoção da Nakata? É sobre ela que vamos falar neste post. Você conhecerá tudo sobre a campanha, os vencedores dos últimos meses e aprenderá como participar desse desafio e encontrará um lugar certo para aprender sobre todas as dicas são postadas. Siga com a gente!

Veja também:

> O trabalho do mecânico após a entrega do carro: como fazer o pós-venda automotivo?

> As especializações para quem deseja trabalhar com mecânica de automóveis

> 6 cursos que todo mecânico deveria fazer

As dicas vencedoras nos últimos meses

Nesses últimos meses, recebemos diversas dicas valiosas de quem realmente entende de reparação! Além da premiação dos três melhores colocados todos os meses, a campanha também promove a educação da nossa comunidade, contribuindo para um setor de profissionais ainda mais experientes.

Veja só os profissionais que fizeram a diferença e compartilharam seu conhecimento com todos nós:

Maio: Alex Girardi, de Guaporé (RS)

Para o Alex, a fórmula de ouro para uma boa manutenção está na sua atenção, que o ajudou a resolver um dos desafios mais complexos com que já tinha lidado na oficina. O carro em questão era um Ford Focus 2011: durante os testes de rodagem, apresentava um barulho forte na dianteira sempre que atravessava um buraco. O estranho era que isso só acontecia em velocidades mais altas.

Então, o campeão de maio decidiu examinar o sistema de suspensão, percebendo dois batentes na haste do amortecedor direito, como se fossem colocados ali como um improviso para limitar o curso da suspensão. Para a surpresa dele, esse não era o problema. Na verdade, as bieletas estavam erradas, pois eram os modelos adequados para a primeira geração do Focus.

Como essas peças eram mais curtas, a barra estabilizadora se chocava contra a carroceria, causando os ruídos. Após a substituição pelo componente adequado, os barulhos sumiram. Nesse caso, Alex ressaltou em sua dica que, hoje em dia, nem sempre vale confiar apenas na sua experiência. O mecânico precisa ser atento e curioso, seguindo a indicação da fabricante à risca, sem improvisos que possam prejudicar o veículo.

Além disso, ele também destacou um procedimento de rotina na oficina dele. Sempre que recebe um veículo pela primeira vez, principalmente quando o proprietário informa que comprou seminovo ou usado, ele faz uma inspeção detalhada para ver se todos os componentes são os adequados. Seguindo esse conselho, você protege o cliente e garante que ele conhece a real condição do automóvel.

Junho: Fernando Neves, de Mauá (SP)

Já no caso de Fernando, o que o garantiu o título de junho foi apostar em uma técnica simples e confiável. Tudo começou quando ele recebeu um Chevrolet Corsa 2008 em seu pátio. O dono do carro reclamava de uma trepidação no pedal durante a frenagem — um problema clássico nas oficinas.

Porém, nesse caso em particular, o cliente exigiu que os discos fossem retificados em vez de substituídos. Fernando respeitou o pedido do cliente, mas a falha não desapareceu. Foi então que ele decidiu investigar a condição dos cubos das rodas.

Para isso, ele fez o seguinte:

  • montou o disco no cubo, colocando apenas dois parafusos das rodas, mas deixando bem apertado;
  • então, pegou o relógio comparador e a base magnética;
  • com essas ferramentas, mediu o empenamento da peça, marcando com um giz o ponto zero e o máximo;
  • depois, ele desmontou tudo, girou o disco em meia volta e refez as medições.

A tacada de mestre aqui foi que esse teste, apesar de simples, serviu como uma prova real, entregando três resultados para o diagnóstico:

  • disco empenado: os valores de zero e máximo ficam na mesma marcação nas duas medições;
  • cubo avariado: as medidas não mudam, mas trocam de lugar após o giro;
  • os dois componentes estão comprometidos: cada medição informa um valor diferente.

Além disso, Fernando reforçou para a comunidade de mecânicos que sempre prefere uma abordagem mais técnica na resolução desse problema, utilizando os instrumentos de medição. Por fim, ele encerrou explicando que, no caso do Corsa, a retífica não foi suficiente, e que também é comum encontrar cubos novos que foram danificados por montagens incorretas.

Julho: Márcio Ferraro, de Santo André (SP)

Existem os casos em que a experiência fala mais alto só de ouvir um problema. Assim aconteceu com Márcio, que do seu balcão ouviu uma discussão sobre a garantia de uma junta deslizante. Quando questionado, ele avaliou que o problema estava na montagem mal realizada.

Para a comunidade, Márcio explicou que, após a desmontagem da junta, é crucial saber posicionar as peças na hora de montá-la novamente. O carro envolvido na discussão era um Volkswagen Gol 2008 — em que, nesse caso, era importante alinhar as pontas mais grossas do anel interno com as fixas do interno.

Com as juntas quebradas, o procedimento foi realizado ao contrário. Por conta disso, Márcio reforçou que a maneira ideal de garantir o sucesso do serviço é cuidando pessoalmente de cada detalhe. Além disso, sempre que confrontado por dúvidas, buscar respostas em alguma fonte confiável.

A promoção Feras da Oficina

Viu só como é possível contribuir com dicas do seu dia a dia? Temos certeza de que, depois de ler esses relatos, você já está querendo contribuir com a promoção, não é mesmo? Nós mostramos como!

A primeira boa notícia é que não existem custos, dificuldades ou burocracias para participar — pelo contrário! Sua dica não precisa ser algo muito elaborado, “fora da curva” ou genial. Ela precisa ser uma dica do dia-adia, bacana e que vire um “pulo do gato” importante para seus colegas de trabalho. A nossa intenção é premiá-lo pelas suas ideias que possam ajudar todo o setor mecânico. Para premiar os participantes, oferecemos ferramentas funcionais para o seu cotidiano. Dê uma olhada:

  • 1º lugar: chave de impacto pneumática ½ – 678Nm;
  • 2º lugar: jogo de soquete estriado com 24 peças;
  • 3º lugar: jogo de chave combinada suporte de plástico com 12 peças (8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 19, 22 mm).

Mas os benefícios não param por aí! Ainda existem as premiações dos Feras do Ano, que recompensam os participantes mais reconhecidos e com as melhores ideias ao longo do período. Para estarem à altura desse herói da oficina, os prêmios são ainda mais sofisticados e úteis para a carreira do reparador.

E aí, gostou deste post explicando a campanha Feras da Oficina? Quer ver aquela sua dica de ouro compartilhada com todos os mecânicos do país? Então, não perca essa oportunidade! Acesse o nosso portal e cadastre-se agora mesmo!

Você também pode gostar

Um comentário em “Dica de especialista: conheça os premiados na promoção Feras da Oficina

Deixe um comentário