Como identificar falhas no terminal de direção?

Como identificar falhas no terminal de direção?
6 minutos para ler

Que os terminais de direção são componentes importantes do sistema de direção, você já sabe. Afinal, eles são responsáveis por realizar a ligação entre as rodas e o braço axial  de um veículo e, portanto, são fundamentais para o bom funcionamento e para a segurança do carro.

Aliás, um bom jeito de explicar isso para o cliente é dizer que eles transmitem para as rodas os movimentos realizados pelo motorista no volante. Mas apesar de se tratar de uma peça composta apenas por uma caixa, um pino esférico e uma coifa protetora, até mesmo os melhores profissionais podem encontrar dificuldades em encontrar falhas nesse sistema.

Já passou por isso alguma vez? Pode ser demorado identificar se o problema de motoristas que chegam à oficina se queixando de barulhos ou falhas na direção é, de fato, no terminal de direção ou em outros componentes do veículo.

Se você deseja saber como realizar o diagnóstico de falhas da maneira correta, acompanhe o post, que vamos apresentar todos os detalhes sobre o tema. Confira!

Principais indícios de falha no terminal de direção

Quando um cliente procura você e reclama sobre falhas no motor ou ineficiência do veículo, a tendência é pensar em itens como bicos de injeção eletrônica, bomba de combustível, bobinas, velas e cabos de vela, entre outros, não é mesmo?

Já nos casos em que a queixa é sobre irregularidades ou ruídos na suspensão ou direção, é comum pensarmos inicialmente em pneus, amortecedores, rolamentos e até mesmo componentes do freio. Todos esse itens podem gerar ruídos e mudar a maneira com que o veículo se comporta.

Mas para identificar indícios de falha no terminal de direção, é preciso prestar atenção a sintomas específicos. Em geral, as falhas mais reportadas pelos motoristas quando chegam às oficinas com problemas nesse componente são:

●       Vibração;

●       ruídos;

●       folga na direção;

Além disso, para trabalhar no reparo do terminal de direção da maneira correta, é preciso se lembrar que a suspensão absorve os impactos, forças e tensões de avarias e buracos que o carro passa. Sendo assim, ela é responsável por diminuir a transmissão dos efeitos da irregularidade da pista de rodagem aos ocupantes do veículo.

No Brasil, especialmente em razão das más condições das vias e estradas, o período para a substituição dos componentes da suspensão se torna indeterminado. Esse fator pode ser agravado pelas características “esportivas” dos motoristas na condução dos veículos.

Então, apesar de o manual da fabricante ser um bom guia, o ideal é que o mecânico analise cada caso para verificar a necessidade da troca de peças. Tente não descartar, logo de cara, falhas no terminal de direção de um veículo.

Não considere apenas o fato de ele ainda estar dentro do período recomendado. Sua vida útil pode variar de acordo com o trabalho a que o veículo é submetido.

Como não confundir com outros problemas

Para não confundir as falhas no terminal de direção com outros problemas veiculares, é preciso ouvir com atenção a queixa do motorista e, é claro, verificar os componentes. Como os terminais de direção fazem parte do sistema de direção, é comum confundir os seus sinais com falhas no terminal axial ou na caixa de direção.

Contudo, nos casos em que os componentes do terminal de direção estão gastos, eles apresentam folgas que geram a trepidação da direção. Dessa maneira, nos casos em que o veículo apresenta um movimento “treme-treme”, pode não se tratar de um balanceamento das rodas, apesar de a sensação para o motorista, em muitos casos, ser semelhante.

Por essa razão, nos casos em que o cliente relatar uma trepidação no volante, especialmente quando o veículo é acelerado, o ideal é realizar uma revisão completa na suspensão antes de fazer o balanceamento nas rodas.

Outro fator relevante são as folgas nos terminais de direção. Assim, nos casos em que for verificada uma folga durante a checagem, o recomendado é que as peças sejam trocadas no mesmo momento. Isso porque esse tipo de problema apresenta grande risco e pode gerar sérios danos ao carro, além de causar incômodo ao motorista.

De que forma diagnosticar corretamente

Para realizar o diagnóstico correto, algumas medidas devem ser adotadas pelo profissional responsável pela análise. O primeiro passo deve ser elevar o veículo no macaco ou no elevador e forçar a roda de um lado para o outro — nesse momento, o ideal é contar com o auxílio de outra pessoa para realizar o movimento.

Para fazer essa análise, verifique se há movimento radial da peça, caso positivo indica que há folga e a peça precisa ser substituída,

Por fim, é relevante observar o estado de conservação da coifa. Como você sabe, a mesma que protege o conjunto e em caso de corte ou ruptura será necessário a substituição do conjunto.

Cuidados necessários ao trocar os terminais de direção

Existem determinados cuidados que devem ser adotados ao realizar a troca dos terminais de direção para que o serviço seja realizado de forma correta. Vamos nos lembrar quais são? Confira:

●       procure não apertar em excesso a porca que fixa o pino na manga de eixo, o excesso de torque, quando aplicado, pode levar a ruptura do pino;

●       Verifique o estado da contra peça, ela deve estar isenta de oxidação e deformações.

●       Ao remover o terminal velho conte a quantidade de voltas para desinstalar a peça e na montagem da peça nova introduza o mesmo número de voltas, isso vai facilitar o alinhamento da direção

●       faça o alinhamento do veículo.

Agora que lembramos como identificar falhas nos terminais de direção e fazer o diagnóstico da maneira correta, coloque todas as nossas dicas em prática! Assim, no momento em que um cliente o procurar a oficina com esse tipo de problema, você vai saber rapidamente o que fazer. Não se esqueça de utilizar peças de qualidade na troca!

Se você gostou das dicas que apresentamos neste post, cadastre-se em nosso site e receba gratuitamente vídeos, dicas, artigos e e-books sobre o universo automotivo!

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário