Injeção eletrônica: entenda a função desse sistema

7 minutos para ler

Muitos proprietários conhecem pouco sobre os seus veículos. Afinal, o conhecimento técnico de mecânica não é algo que vem junto com a compra de um automóvel. Este portal foi criado justamente para ajudar a esclarecer esses temas, sempre apostando na conscientização dos condutores que, conhecendo e preservando melhor as suas máquinas, tornam o trânsito um lugar mais seguro.

Dessa vez, elaboramos um texto especial sobre o sistema de injeção. Como você notará durante a leitura, trata-se de um conjunto fundamental para o funcionamento do motor, além de ser um tema muito importante para aqueles que pretendem economizar combustível e colaborar com a redução da poluição do ar. Gostou? Então vamos em frente!

Veja também:

O conceito e o trabalho da injeção

Assim como outros tópicos da engenharia, o sistema de injeção tem um nome bastante sugestivo. Basicamente, trata-se do elemento responsável por injetar o combustível no interior da câmara de combustão.

Por conta disso, é possível entender a importância dessa tecnologia, que opera diretamente na alimentação energética do motor. Faz o controle da quantidade de fluido necessário para a queima, resultando na geração de movimento e torque.

Em um segundo momento, também é importante entender que a injeção eletrônica não foi a primeira solução para esse desafio de engenharia. Afinal de contas, os carros mais antigos usavam peças como o carburador, que tinha uma solução bem menos sofisticada para dosar o combustível nas câmaras.

Com a popularização da eletrônica, isso mudou. Os carros equipados com esse recurso passaram a contar com uma injeção muito mais precisa, capaz de fornecer apenas a quantidade necessária para atender a demanda de potência solicitada pelo condutor. Mas, mesmo nesse sistema, existem suas divisões. A seguir vamos falar sobre elas.

Injeção indireta

Inicialmente, esse foi o sistema responsável por aposentar os carburadores, que não conseguiam se adequar às novas exigências (dos clientes e governos) para a redução do consumo de combustível e combate à poluição. Nesse sentido, existem duas grandes características que definem a injeção eletrônica indireta.

A primeira é o fato de ter um controle eletrônico. Essa unidade, conhecida como “módulo”, é responsável por recolher e processar um grande número de informações (desde a temperatura do ar até o movimento do acelerador) para gerenciar a quantidade necessária de combustível que deverá ser injetada a cada momento.

O mesmo acontecia com o carburador. Mas, na ausência da eletrônica, era utilizada uma série de outras soluções mecânicas para realizar essa dosagem. Como é possível imaginar, o resultado era muito menos preciso. Por isso que os veículos antigos gastavam e poluíam bem mais.

Já a segunda característica da injeção indireta faz referência ao seu nome, destacando a posição em que o combustível é disparado. Nesse sistema, o fluido é injetado antes do cilindro, ainda no sistema de admissão do ar. Por conta disso, é um conjunto eficiente e bastante simples, apesar de manter certos problemas dos tempos dos carburadores.

Injeção direta

Para superar essas limitações, foi introduzido nos veículos o sistema direto. Sua grande vantagem é injetar o combustível diretamente no interior da câmara de combustão, dentro dos cilindros. Por conta disso, esse é o método que garante a maior eficiência energética, quando comparado aos carburadores e injeções indiretas.

De uma forma resumida, essa maior eficiência é o resultado de três fatores. O primeiro deles é a relação entre o tempo e a distância que deve ser percorrida até o combustível chegar às câmaras e entrar em combustão. Na injeção direta esse problema não existe.

Já o segundo motivo é um complemento do primeiro: o local da injeção. Ao disparar diretamente no interior da câmara, o combustível tem um melhor índice de aproveitamento, sendo consumido praticamente em sua totalidade durante o processo de combustão.

Por último, destacamos a otimização do sistema de spray, que nada mais é do que o método de pulverização com que os bicos injetores disparam o combustível. No fim das contas, todos esses fatores se somam para entregar muito mais potência com economia.

Injeção direta e indireta

Por último, ainda existem atualmente alguns veículos mais caros e sofisticados com um sistema duplo de injeção eletrônica (direto e indireto) que atua ao mesmo tempo. Apesar da grande complexidade, essa solução permite unir as vantagens das duas tecnologias, proporcionando a melhor relação entre baixo consumo, alta potência e mínima emissão de poluentes.

A importância dessa tecnologia

Ainda que a economia seja o principal benefício para o dono do veículo, vale lembrar que essa tecnologia também é importante em outros pontos. Quem já dirigiu carros com carburador e injeção eletrônica notou a diferença. Com a alimentação de combustível bem controlada, o motor apresenta um desempenho mais elástico e ágil, rendendo melhor em baixas rotações e oferecendo uma boa reação para o motorista.

Outro ponto importante é a agilidade durante a partida do carro. Nos veículos carburados essa questão era sempre problemática, principalmente nos dias frios. A eletrônica acabou com essa dificuldade, garantindo um arranque quase sempre imediato.

Por último, temos as vantagens para o meio ambiente. Motores com injeção são muito melhores para o planeta, tanto pela economia de combustível quanto pela redução da emissão de gases nocivos à atmosfera. 

Como fazer sua manutenção

Os principais fabricantes indicam que a revisão do sistema de injeção eletrônica deve ser feita, em média, a cada 40 mil quilômetros. Se o veículo rodar muito pouco, é bom realizar uma checagem preventiva uma vez por ano. O proprietário também deve ficar atento a alguns sintomas que podem ser indicativos de problemas.

As situações mais comuns são o aumento do consumo, a perda de desempenho, os engasgos durante as acelerações, a dificuldade de partida ou quando a luz do painel acende indicando que algo mais sério está acontecendo. Geralmente, essa luz é amarela com o desenho de um motor. Nesses casos, procure uma oficina o quanto antes.

Inclusive, é nesse ponto que reforçamos a importância de contar com um serviço mecânico de qualidade. Afinal, esse é um sistema crucial para a eficiência do veículo e descuidar da sua manutenção pode ocasionar uma série de prejuízos.

Você gostou deste artigo sobre o sistema de injeção? Lembrou-se de alguma situação importante sobre o tema? Então, não perca a chance de enriquecer a discussão em nosso portal. Deixe a sua opinião abaixo!

Você também pode gostar

Deixe um comentário